Passar para o Conteúdo Principal Top
C.M. Ílhavo - Voltar ao início
share rss facebook

Rota das Padeiras - Gastronomia

A Rota das Padeiras é um evento que pretende a promoção e a divulgação do tradicional Pão de Vale de Ílhavo. Este lugar é conhecido pelas suas padeiras, que fabricam o tradicional pão, além dos folares/bolo doce (cuja diferença assenta no facto de o folar levar ovos cozidos, com casca, a enfeitar) e broa, de acordo com receitas antigas, preservando este testemunho da gastronomia local.

 

Desta forma, as famosas Padeiras de Vale de Ílhavo dão a conhecer aos visitantes do nosso Município, as suas iguarias, nomeadamente as padas e os folares, num ato de festa, homenagem e referência à sua arte de fabricar, durante 365 dias por ano, o tradicional pão, preservando este testemunho delicioso e de inconfundível sabor da gastronomia local.

 

O pão e o folar de Vale de Ílhavo

 

O pão característico de Vale de Ílhavo é proveniente da mistura da farinha de trigo (a pada e o folar) e da farinha de milho (a broa), com sal, fermento e água, além de outros componentes que entram nesta composição para fazer o tradicional folar, reconhecido em qualquer lugar.

 

O processo começa com a preparação da farinha, a qual, antigamente, consistia em peneirá-la para lhe retirar o farelo, coisa que nos dias que correm já é feito nas moagens, muito embora as padeiras continuem a dar-lhe uma passagem pelo peneiro para lhe retirar qualquer impureza, passando de seguida à fase seguinte: o amassar.

 

Depois de tudo bem amassado, o produto daí proveniente (a massa), fica a levedar durante algum tempo. Depois de lêveda, dá-se-lhe “abas”, deixando-a repousar por uns instantes, sendo de seguida “tendida”. A operação de “tender” consiste em cortar a massa em bocados, os quais se moldam em bolas, que ficam a repousar em tabuleiros de madeira, que estão cobertos com panos, chamados “tendais”, onde são encasuladas as bolas, polvilhadas com farinha. Neste entretanto, o forno já está quente. Puxa-se o brasido para a boca do mesmo e varre-se o lar com varredouro feito de serapilheira ou ervas.

 

Depois de todas estas operações, chegou a vez de pôr o pão no forno. Pega-se nas bolas de massa e metem-se na pá, dando a forma conhecida da pada. De seguida é só encher o forno e esperar a cozedura. Tira-se o pão do forno e está pronto a ser vendido, ou na melhor das hipóteses, a ser comido bem quentinho.

 

Atualmente, também aparecem as bôlas de carne ou peixe, assim como o pão com chouriça, que é um familiar da bôla, mas em tamanho individual.